Segundo polícia, exame de DNA comprovou que ele é o pai de menino que nasceu quando a vítima completou 11 anos. Garota é sobrinha da companheira do suspeito.

Um homem de 38 anos foi preso e indiciado pela Polícia Civil por estuprar e engravidar a sobrinha da companheira dele, na Zona Oeste do Recife. A garota tinha 10 anos quando descobriu a gestação e, aos 11 anos, deu à luz um menino. Segundo a polícia, exames de DNA comprovam que a criança é filha do suspeito, que já está no presídio.

As informações sobre a prisão e o indiciamento do homem, que não teve o nome divulgado para não prejudicar a vítima, foram repassadas nesta quinta-feira (25), durante entrevista coletiva no Recife.

A captura ocorreu na quinta-feira (18), na mesma região onde aconteceram os crimes. O homem seguiu para o Centro de Triagem e Observação Criminológica (Cotel), em Abreu e Lima, na Região Metropolitana. Ele pode pegar até 15 anos de prisão por estupro de vulnerável, que ocorre quando a vítima de menos de 14 anos.

A menina morava com a tia e com o companheiro dela desde os 6 anos de idade, segundo a polícia. A corporação ainda não conseguiu estabelecer quando os abusos tiveram início nem se ocorriam dentro de casa.

“A garota não colaborou com a investigação. Acredito que, agora, com a divulgação do resultado do exame genético, que comprova a paternidade, ela esclareça alguns detalhes, durante o depoimento especial já solicitado”, comentou o delegado Darlson Macêdo, gestor do Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA).

O policial disse, ainda, que o suspeito e a menina negam que a criança tenha sido concebida durante um estupro. “Temos várias hipóteses para justificar o fato de a menina não querer denunciar o companheiro da tia. Pode ser por medo ou por ela ter se afeiçoado a ele”, comentou.

Sobre a negativa do homem, o delegado disse que se trata de “cara de pau”. Macedo informou que ele chegou a dizer que a menina poderia ter ficado grávida ao usar o banheiro depois dele.

“A gente não deixa de se chocar com a frieza e a crueldade. É uma barbaridade. Uma criança que vivia sob os cuidados desse indivíduo e ele abusava dela. Foi uma gravidez de risco. A agente atuou com rigor na espera que ele seja severamente punido e condenado”, afirmou.

O delgado disse, ainda, que a gravidez foi descoberta quando a menina chegou a um hospital infantil de referência no Recife para fazer um exame. Elas estava com a barriga crescida e a mãe e a tia diziam que poderiam ser um cisto.

“Fizeram o exame no hospital e detectaram a gravidez, encaminhando o caso para a delegacia. A prisão preventiva dele já foi decretada, mesmo ele mantendo a negativa após a divulgação do resultado do teste de DNA”, comentou Macêdo.

O gestor do DPCA ressaltou que é preciso que pais e responsáveis fiquem atentos ao comportamento das crianças, caso desconfiem do um abuso sexual.

“As crianças mudam o comportamento e podem até reproduzir nos brinquedos o que sofrem. É preciso observar”, declarou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here